Infogr.am o que é?

por Thiago Lucas

Já pensou em criar infográficos a partir de uma ferramenta que se conecta com o mesmo login do Facebook?

O infogr.am permite que seu usuário crie centenas de infográficos sem a necessidade de preencher enormes cadastros, basta que você acesse com seu usuário do Twitter ou Facebook e pronto, você estará online na plataforma.

O site da ferramenta já contabiliza cerca de 2 milhões de infográficos criados, e é bem interativo e auto explicativo. Realmente não haverá nenhum impedimento para seu uso, nem mesmo por aquele jornalista que não tem nenhuma ou quase nenhuma experiência com a criação de infográficos.

Sendo assim… Vamos criar!

O link pra o site está logo abaixo:

https://infogr.am

Advertisements

Tableau: Desktop, Server e Reader – para o jornalista iniciante.

por Thiago Lucas

Sabemos que a internet e suas ferramentas são hoje os maiores aliados do jornalista na produção de infográficos e que os leitores hoje estão exigentes em relação ao visual das publicações, além da comodidade e facilidade de entendimento que um gráfico promove durante o consumo das publicações. Para o jornalista iniciante existem algumas ferramentas que auxiliam na produção dos infográficos, destacaremos um bastante útil e de fácil manuseio, o Tableau.

A ferramenta é disponibilizada nas versões Desktop, Server e Reader.

O Tableau na versão Desktop é um aplicativo de visualização de dados que permite analisar quase todo tipo de dados e gera gráficos, painéis e relatórios interativos e visualmente interessantes em alguns minutos. Após a instalação, o usuário pode se conectar a qualquer fonte de dados, e exibir informações em várias perspectivas de gráficos. Desenvolvido para facilidade de uso, o usuário pode trabalhar com mais rapidez.

O Tableau Server fornece análise visual baseada em navegador que qualquer um pode usar. Com alguns cliques, o usuário pode publicar ou inserir gráficos, painéis e relatórios ativos e interativos com dados atualizados automaticamente personalizados de acordo com as necessidades de todos da redação.

O Tableau Reader é um aplicativo gratuito de visualização que permite que qualquer pessoa abra e interaja com pastas de trabalho criadas pelo Tableau Desktop.

Abaixo o link de download do software para avaliação:

http://www.tableausoftware.com/pt-br/products

Blog “Estadão Dados” – Ringue 2014

por Thiago Lucas

O Estado de São Paulo lançou um blog chamado Estadão Dados, a intenção é publicar ao menos um infográfico por dia, com dados estatísticos sobre política, economia, segurança, saúde e outros.

O Estadão Dados pretende disseminar o jornalismo de dados em toda a redação. Para isso, colabora com repórteres e editores em determinadas apurações, além de dar suporte no uso de softwares e ferramentas online.

Na página encontram-se algumas ferramentas bastante úteis para a produção de matérias relacionadas à politica.

Dentre elas uma que chama atenção é o Ringue 2014. Na ferramenta interativa podemos escolher os pré-candidatos e compará-los entre si. Os dados da ferramenta são inseridos com base em pesquisas do IBOPE e constam na própria página datas, número de cidades e entrevistados.

Os ringues são montados por quem acessa e os votos dos presidenciáveis podem ser nivelados por regiões, escolaridade, renda e quantidade de habitantes por município.

Para conhecer o blog e o RINGUE basta clicar no link abaixo.

 

http://estadaodados.com/ringue2014/

 

 

A convergência midiática cria a TV Interativa

por Thiago Lucas

Convergência Midiática é um conceito desenvolvido pelo pesquisador de mídias Henry Jenkins que designa uma tendência que os meios de comunicação  estão aderindo para poder se adaptar a internet.

A Internet e a TV fortificam sua relação a cada dia. Ao contrário do que muitos pensam a WEB não veio para substituir a TV e a convergência entre estes dois veículos tem criado uma nova ferramenta de comunicação: a TV Interativa. Na prática, esta tecnologia integra o acesso à internet e a recepção de canais de vídeo em qualquer ponto das cidades e através de tecnologias móveis.

Este processo de conversão permite a criação de um jornalismo audiovisual de excelente qualidade. A Doutora em Comunicação Beatriz Becker em seu livro Pensando e Fazendo Jornalismo Audiovisual destaca as principais estruturas que serviriam de apoio para as produções sendo elas: estrutura narrativa, enunciadores, atores sociais, visualidade e editorialização.

Em suma estes pilares são:

Estrutura Narrativa: organização do produto, tempo, blocos, enfim, o ritmo do telejornal;

Enunciadores: como o texto é apresentado e como se cria a credibilidade dos profissionais que o fazem;

Atores sociais: nesta categoria destacam-se os entrevistados e demais “vozes” da notícia;

Visualidade: Investiga as combinações entre texto e imagem na TV e na internet;

Editorialização: hierarquiza os conteúdos das notícias na escalada e na página da WEB.

O livro mencionado acima é disponibilizado para venda em versões impressa e digital no link abaixo e é um ótimo apoio para a produção de notícias na TV e na WEB.

 

http://www.e-papers.com.br/produtos.asp?codigo_produto=2277

O que é Jornalismo Indexado?!

por Thiago Lucas

A internet é sem dúvidas uma distribuidora de conteúdo de todos os tipos, porém nem tudo pode ser aproveitado por não ser totalmente positivo ou verdadeiro. Em entrevista ao site da Universidade de Santo Amaro, o jornalista Manoel Fernandes enfatizou que a internet permite que todos falem ao mesmo tempo e entre si, mas que, é necessária a realização de um filtro. De acordo com Manoel é dever de todo jornalista realizar este filtro e contextualizar as informações.

 Fernandes se especializou em Jornalismo Indexado que nada mais é que, filtrar as informações que aparecem em grande volume em sites de busca, dentre eles o mais famoso: O Google. A própria ferramenta de pesquisa trabalha com a indexação evidenciando sempre os itens mais acessados.

O Jornalismo atualmente é baseado em “palavras chave”, afirmou em entrevista à equipe do site da UNISA e ainda disse que, todos têm oportunidades de administrar conteúdos e somos filtro dos conteúdos que publicamos, por exemplo, em redes sociais. Neste caso, o jornalismo indexado analisa os acontecimentos nas redes sociais e contextualiza.

O jornalista e consultor explica que o papel do profissional no trabalho de indexação é saber o que os demais não sabem. Utilizar palavras-chaves precisas para localizar notícias que o Google não promoveu por não haver acessos suficientes para que houvesse destaque nas primeiras páginas do site.

Manoel Fernandes é jornalista formado pela Universidade Católica de Pernambuco (Unicap/PE), em 1992, atualmente é Diretor geral de uma das maiores empresas que busca conteúdos na rede, a Bites.

Mais informações sobre o profissional podem ser encontradas no link abaixo:

http://www.portaldosjornalistas.com.br/perfil.aspx?id=2567

Algumas ferramentas grátis e fáceis para visualização de dados na WEB.

por Thiago Lucas

O jornalismo de dados pode abordar temas muito complexos e que requerem ilustrações que somente o texto não seria capaz de fazer. Entretanto há ferramentas que auxiliam a criação de infográficos bastante simples de utilizar e que estão disponíveis para acessos gratuitos na internet e que facilitam a ilustração de matérias no cotidiano corrido das redações mundo a fora.

Conheçam então algumas destas ferramentas:

1. Google Fusion Tables: A ferramenta de bases de dados e mapeamento online é ideal para a produção de mapas rápidos e detalhados, e tem grande poder de  zoom não perdendo a alta resolução do Google Maps e suporta grande volume de dados.

2. Tableau Public: Ferramenta ideal para a exploração de dados. Há versões gratuitas que  permitem a visualização de até 100.000 colunas e é excelente para criação de mapas econômicos ou de visualizações de informações de campanhas e demais pesquisas eleitorais.

3. Gráficos do Google Spreadsheet: Para a criação de gráficos em linha ou pizza esta ferramenta é excelente. Sua criação é bastante parecida com as tabelas de Excel, é bastante útil também na criação de gráficos pequenos.

4. Datamarket: Ótima ferramenta para visualização de números.

5. Color Brewer: Para escolha de cores de mapas, não sendo exatamente uma ferramenta de visualização de dados.

No link abaixo, que também foi usado como apoio para criação deste post, há algumas dicas para utilização destas ferramentas e também algumas outras que, com toda a certeza, auxiliarão na visualização de dados e criação de infográficos para ilustração de matérias.

http://datajournalismhandbook.org/pt/comunicando_os_dados_6.html

Fonte:

http://datajournalismhandbook.org/pt/comunicando_os_dados.html

http://datajournalismhandbook.org/pt/comunicando_os_dados_6.html

As possibilidades das tecnologias e mídias sociais para o Jornalismo de Dados

por Thiago Lucas

Cada vez mais globalizada a tecnologia é grande aliada na produção de notícias. O uso de novas ferramentas, tais como a internet, propiciam um maior embasamento de dados e tornam a produção das matérias mais atrativas. Em novembro de 2013 em uma visita ao Brasil, o editor do The New York Times Aron Pilhoter tratou do assunto em um curso de especialização em Curitiba e na ocasião disse que:  “Os bons profissionais que perceberem isso serão os que terão os melhores empregos”.

Durante sua apresentação o editor falou da utilização de dados no jornal onde trabalha e do londrino The Guardian. Em ambos a utilização de pesquisas tornam-se gráficos para detalhar assuntos como política, por exemplo. Para o cruzamento de dados e aprofundamento de informações durante a criação de matérias, Pilhoter disse usar uma ferramenta de nosso cotidiano e quase não lembrada quando tratamos de jornalismo de dados e criação de textos em um modo geral: o Excel.

Na ocasião, o norte-americano também falou sobre as mídias sociais e aplicativos de notícia que permitem maior interação do jornalista com seu público, e que para a construção desta notícia o profissional precisa de ferramentas como dados e design: “Para construção de notícias interativas, você precisa de dados, design e um código. O desafio é fundir a narrativa tradicional com a interativa”.

As informações sobre esta palestra foram encontradas no site http://www.comunifoco.com.br.

No endereço eletrônico também constam informações sobre Aron Pilhofer. De acordo com o site, Aron é especialista em data driven journalism, uma área do jornalismo que é voltada para o uso de programação e criação de notícias multimídia e interativas. Desde 2005 trabalha nno aprimoramento da narrativa jornalística do The New York Times online. É um dos fundadores do projeto DocumentCloud, sendo esta ferramenta online que permite a análise de documentos. Também está entre os criadores do grupo Hacks and Hackers, que tenta aproximar jornalistas da tecnologia da informação.

Antes de fazer parte da equipe do TNYT, Pilhofer trabalhou como repórter para o Centro de Defesa da Integridade Pública, em Washington DC e para rede de jornais Gannett. É também parte da equipe nacional de treinamentos da Associação Americana de Repórteres e Editores Investigativos (IRE).

Fonte: http://comunifoco.com.br/2013/11/jornalismo-de-dados-novas-possibilidades-na-internet/